quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

O chilhadêro de Barrancos

Estamos quase no Carnaval. Época de chilhadêro.
A esta hora, há vinte anos atrás, para não ir mais longe, já estavam formados os grupos de jovens que, em Sº Bento, no Cantinho, no Cerro, no Baldio, ou nas Bicas, se preparavam para chilhar de porta-em-porta, onde houvesse menina.
O chilhadêro é uma das manifestações populares desta época  que, apesar dalgum esforço na sua divulgação e reconstituição - por parte da Câmara, da escola ou da Associação de Reformados - , temos vindo a perder. O chilhar, que em Barrancos assumiu-se como ritual masculino, constitui uma espécie de passagem da puberdade para a adolescência, onde o rapaz, normalmente em grupo, "chamava"  (chilha) à rapariga para que espreite à porta ou saia à rua.
Esta algazarra nocturna de juventude, que andava de rua em rua, ou porta-em-porta, só terminava no sábado, vésperas de Carnaval.

3 comentários:

Anónimo disse...

Pois é Jacinto,grandes e bons tempos k infelizmente já foram...
Ainda nesta década, juntamos-nos um grupo de amigos para reviver isso,foi fabuloso. :-)
D.

Anónimo disse...

VOÇES TEM A MEMÓRIA CURTA ,AINDA BEM QUE ISSO ACABOU POIS ERA UMA MANIFESTAÇÃO DE VIOLENCIA E DESTRUIÇÃO DA PROPRIEDADE ALHEIA, CONTRA AS PORTAS , CHEGOU A HAVER FERIDOS POR CAUSAS DAS BOMBAS QUE FAZIAM COM UMA CHAVE.


REGANHA

jdms disse...

Cara ou Caro "Reganha": Se houve violência, foi por que houve exageros. Eu não recordo tal, mas enfim...
Quanto ao Chilhadero, soube há pouco, que este era complementado com as "caqueradas", desaparecidas há muitos anos. E aqui sim, poderia haver exageros, sujando casas. Ah, outra novidade: nas "caquêradas" participavam mais raparigas que rapazes.



Cpts. e Bom Carnaval.
Jacinto Saramago